16 de out de 2009

Carlinhos Felix - Nós dois (ao vivo)

A esposa da sua (minha) juventude.


"Beba das águas da sua cisterna, das águas que brotam do seu próprio poço.
Por que deixar que as suas fontes transbordem pelas ruas, e os seus ribeiros pelas praças?
Que elas sejam exclusivamente suas, nunca repartidas com estranhos.
Seja bendita a sua fonte!
Alegre com a esposa da sua juventude."
Prov 5:15-18


Existem certas coisas que acontecem em nossas vidas que marcam para sempre, são como ferro quente na pele, jamais será apagado. Em 08 de janeiro de 1997 aconteceu algo assim em minha vida. Naquele dia eu conheci uma pessoa, que aqui eu quero denominar como uma menina mulher. Quando eu a vi pela primeira vez a química do amor entrou em ação instantaneamente, fui fisgado no ato. A partir daquele dia passei a viver momentos memoráveis. Embalado pela paixão não pensava em outra coisa, a não ser na menina mulher. Na época eu era funcionário público, até que um belo dia, por questões políticas fui exonerado da função que exercia na prefeitura daquela pequena e pacata cidade de Mascote, o que me obrigou a mudar para minha cidade de origem. O emprego acabou, mas, a paixão ia a todo vapor, até parece que a distancia só aumentava esse sentimento. Quase dois anos depois, novamente me vi forçado a mudar de cidade, por conta da minha situação financeira, então fui morar em Porto Seguro. Nova cidade, nova vida, novos sonhos, novas perspectivas. A distância agora também era bem maior, mas, ainda assim estávamos unidos. Com o tempo a paixão foi acabando pouco a pouco, e foi nascendo outro sentimento mais sólido, mais arraigado, o amor. O nosso maior desejo era ficar juntos, porém existiam muitas barreiras, a dificuldade financeira era um terrível monstro que nos assombrava, até que um dia ao visitá-la na sua cidade, ela toma uma decisão radical: Partiria comigo para Porto Seguro “de mala e cuia”, custasse o que custasse. Aquilo me chocou, pois não houve planejamento, fui pego de surpresa. Naquele momento havia em mim um misto de alegria e preocupação, pois sabia que as condições não estavam favoráveis, tinha tanta coisa que precisava ser ordenada, mas a vontade de ficar juntos era mais forte que tudo. Então, depois de comunicar a família dela partimos para uma vida à dois, um só corpo, uma só carne, alimentados apenas pela esperança de que dias melhores viriam.


Todo começo é sempre difícil, ainda mais quando não há projeto, e não foi diferente com a gente. Enfrentamos todo tipo de dificuldade, desde a moradia até o desemprego, passamos por lutas intensas, mas sempre acreditando num amanhã melhor. Uma vez ou outra uma crise conjugal tentava abalar as estruturas da nossa relação, mas sempre reconciliávamos. Até que veio a primeira filha, e junto com ela o sonho da casa própria começou a se concretizar. Passamos a morar debaixo do nosso teto, tudo bem que não era a casa dos sonhos, mas era nossa. A cada dia aquela menina mulher se mostrava forte, uma verdadeira guerreira. E nós seguíamos enfrentando e vencendo as batalhas da vida. Nessa época eu encarava uma doença terrível, a síndrome do pânico, o medo da morte era minha companhia de todos os dias, acordava no meio da noite com crises terríveis e ela sempre ali do meu lado. O tempo passa e um dia ela me diz: Aldrin tem mais um pra chegar! Isso mesmo! Agora é a chegada da nossa segunda filha. Nossa! Diante de tanta luta e mais uma filha, isso representaria sérias mudanças em nosso tão apertado orçamento, mas tudo bem, aceitamos com resignação. Três meses depois do nascimento de Mariana (nossa segunda filha) nosso casamento estava passando por uma crise terrível, de repente achávamos que era o começo do fim, mas, algo extraordinariamente maravilhoso aconteceu em nossas vidas: Deus com seu incomensurável amor e misericórdia, fez com que conhecêssemos Jesus. A nossa relação foi restaurada e passamos a enxergar um futuro diferente sob a ótica de Deus. Descobrimos que esse Deus maravilhoso nos ama, e que família é um plano dele, que aliança não se quebra jamais.

Ontem (15/10/09) essa mulher menina, completou mais um ano de vida, e ao todo já temos quase treze anos de convivência, hoje verdadeiramente eu sei o quanto essa mulher vale pra mim, eu sei através da palavra de Deus que ela é metade de mim, e que eu sou metade dela, e que assim nos tornamos uma só carne. Quem entende esse mistério?

"Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne." Gn 2:24

Yara, Você me fez viver momentos inenarráveis, você me fez sorrir de jeito que ninguém fez, você me fez sentir o que nunca sentir por outra pessoa. Eu louvo a Deus pelas sua vida. Sei que essa união não vai terminar até que a morte nos separe, e isso ainda vai levar um tempo, muito tempo, assim espero e acredito.

“Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho.
Porque se um cair, o outro levanta o seu companheiro; mas ai do que estiver só; pois, caindo, não haverá outro que o levante.
Também, se dois dormirem juntos, eles se aquentarão; mas um só, como se aquentará?
E, se alguém prevalecer contra um, os dois lhe resistirão; e o cordão de três dobras não se quebra tão depressa.” Ec 4:9-12

Hoje eu bem sei que esse cordão de três dobras é: Eu, Jesus e você. Jesus está entre eu e você para nos tornar coesos. Vimos, vemos e estamos vencendo. A nossa história ainda vai edificar muitas vidas. Deus ainda vai nos usar muito como instrumento Dele na vida de outras pessoas.

Parabéns Yara! Eu te amo!


Aldrin Sena.